PROFESSORES E ESTUDANTES TEM BENEFÍCIOS NO NOSSO SITE.

SAIBA MAIS

lg_oficina_textos_branco

  • MEUS PEDIDOS
Buscar

BR-163: de estrada dos colonos a corredor de exportação - Impresso

Novidade

Os programas de desenvolvimento regional têm um caráter predominante de “desenvolvimento da Amazônia” em detrimento do “desenvolvimento para Amazônia”.
Ver descrição completa

BR-163: de estrada dos colonos a corredor de exportação - Impresso

Novidade

Editora:
br-163-massoni-9788588905696
Impresso
Por: R$ 30,00
à vista
ComprarVendedor Oficina de Textos

Por: R$ 30,00

Preço a vista: R$ 30,00

Comprar

descrição completa

Os programas de desenvolvimento regional têm um caráter predominante de “desenvolvimento da Amazônia” em detrimento do “desenvolvimento para Amazônia”.

As sucessivas mudanças dos “planos de desenvolvimento”, ao sabor das conjunturas políticas e econômicas, contribuíram para a falência da grande maioria dos projetos de colonização. A Nossa conclusão está voltada para algumas variáveis que apontam para a insustentabilidade do modelo de desenvolvimento regional:

Um modelo excludente: no esforço de escolher uma imagem que seja reveladora do ambiente da fronteira atual eu diria que eu esta imagem é o da “exclusão”. A fronteira se prosperidade com fases de depressões, de regressões. O sucesso no aumento da produtividade, não é revertido em benefício do produtor e nem mesmo do meio ambiente. A fronteira continua avançando, mesmo que esta mobilidade não tenha respaldo numa possível necessidade de produzir mais. Há muito mais áreas desmatadas de que as áreas efetivamente ocupadas economicamente.

Um modelo produtivista: após vinte anos é o agronegócio de que, notadamente no Mato Grosso, conhece o mais forte desenvolvimento, sustentado pela necessidade do Brasil obter divisas a partir de produtos exportáveis como a soja. A superfície plantada aumentou de 43% no Brasil, entre 1980 e 1990 e, em mais de 150% no Mato Grosso.

Desflorestamento e fragmentação contínua: Os estudos recentes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE, 2000, 2002, 2005) no âmbito dos quais o desmatamento é qualificado a partir da interpretação de imagens de satélites, mostram que a área total de floresta tropical derrubada na região Amazônica para 631 mil km2 em 2003. Estimativas oficiais do governo divulgam 26,1 km2 teriam sido desmatados entre agosto de 2003 e julho de 2004.

Especificação

AutorMessias Modesto dos Passos, Gerd Kohlhepp
Páginas220
Sub-TítuloDe estrada dos colonos a corredor de exportação
ISBN978-85-8890-569-6
Formato15 x 21 cm
EncadernaçãoBrochura
Edição1

Títulos Relacionados