PROFESSORES E ESTUDANTES TEM BENEFÍCIOS NO NOSSO SITE.

SAIBA MAIS

lg_oficina_textos_branco

  • MEUS PEDIDOS
Buscar

Algumas plantas indicadoras: como reconhecer os problemas do solo - Impresso

Novidade

Com este livro didático e ilustrado da Série Ana Primavesi, a professora apresenta as plantas indicadoras de um solo vivo, rico em nutrientes, bem como os solos pobres, com deficiências de minerais e problemas de drenagem de água ou compactação do solo, entre outros problemas. Neste livro, Primavesi ensina, de modo simples e profundo, a observar a natureza e compreender os elementos que compõem a vida do solo.
Ver descrição completa

Algumas plantas indicadoras: como reconhecer os problemas do solo - Impresso

Novidade

algumas-plantas-indicadoras-como-reconhecer-os-problemas-do-solo
Impresso
Por: R$ 16,50
à vista
ComprarVendedor Oficina de Textos

Por: R$ 16,50

Preço a vista: R$ 16,50

Comprar

descrição completa

Com este livro didático e ilustrado da Série Ana Primavesi, a professora apresenta as plantas indicadoras de um solo vivo, rico em nutrientes, bem como os solos pobres, com deficiências de minerais e problemas de drenagem de água ou compactação do solo, entre outros problemas. Neste livro, Primavesi ensina, de modo simples e profundo, a observar a natureza e compreender os elementos que compõem a vida do solo. As chamadas “plantas invasadoras” são apenas as plantas que estão adaptadas ao solo e foram retiradas pelo manejo para agricultura. Sempre que possível, essas plantas voltarão a ocupar o solo em que viviam. Com elas, é possível saber como tratar as deficiências do solo para a produção agroecológica.

Quando uma planta nativa aparece num lugar é porque todas as condições lhe são favoráveis. Milhares de sementes caem num metro quadrado de chão, somente algumas centenas conseguem nascer e somente poucas dezenas e até só poucos exemplares conseguem se desenvolver. Não depende somente da presença da semente que uma planta nasça, depende igualmente de micro-organismos, da riqueza ou pobreza química do solo, de suas condições físicas e aqui especialmente de crostas superficiais, do regime de ar e água, da insolação e do uso pelo homem e gado. Por isso fala-se de “ecótipos”.

A planta nativa pode servir de “indicadora” porque acusa perfeitamente as condições do solo e do microambiente. Assim, barba-de-bode (Aristida pallens), capim cabeludo (Trachypogon spp) ou sapé (Imperata exaltata) são plantas típicas de solos periodicamente queimados, muito ácidos, pobres em cálcio e fósforo e com regime hídrico alterado. Capim-seda (Cynodon dactylon) indica solos muito compactados e samambaias solos com teor elevado de alumínio trocável. Todos os capins do tipo Andropogon, como rabo-de-burro, rabo-de-coelho, capim-caninha etc. Indicam solos pobres com problemas de drenagem. E assim cada lugar pode ser identificado pela vegetação ali existente.

Na agricultura não se pergunta que planta poderia crescer espontaneamente neste terreno. Impõe-se a cultura, defendendo-a com todos os meios contra a vegetação nativa, que sempre voltará a invadir o campo que lhe é próprio. Os “ecótipos”(eco-lugar) tornam-se invasores, até o momento em que se elimine a característica de solo que a favoreçam, o que, geralmente, favorece a cultura agrícola principal.

Especificação

AutorAna Primavesi
Páginas48
ISBN978-85-7743-314-8
Publicação2016
Formato17 X 24 cm
EncadernaçãoBrochura
Edição1

Títulos Relacionados